.PERROCAS

.pesquisar

 

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.ÚlTIMO NÚMERO DO PERROCAS

. Jornal "Perrocas" número ...

.PERROCAS ANTIGOS

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.tags

. perrocas número 1

. perrocas número 10

. perrocas número 100

. perrocas número 11

. perrocas número 12

. perrocas número 13

. perrocas número 14

. perrocas número 15

. perrocas número 16

. perrocas número 17

. perrocas número 18

. perrocas número 19

. perrocas número 2

. perrocas número 20

. perrocas número 21

. perrocas número 22

. perrocas número 23

. perrocas número 24

. perrocas número 25

. perrocas número 26

. perrocas número 27

. perrocas número 28

. perrocas número 29

. perrocas número 3

. perrocas número 30

. perrocas número 31

. perrocas número 32

. perrocas número 33

. perrocas número 34

. perrocas número 35

. perrocas número 36

. perrocas número 37

. perrocas número 38

. perrocas número 39

. perrocas número 4

. perrocas número 40

. perrocas número 41

. perrocas número 42

. perrocas número 43

. perrocas número 44

. perrocas número 45

. perrocas número 46

. perrocas número 47

. perrocas número 48

. perrocas número 49

. perrocas número 5

. perrocas número 50

. perrocas número 51

. perrocas número 52

. perrocas número 53

. perrocas número 54

. perrocas número 55

. perrocas número 56

. perrocas número 57

. perrocas número 58

. perrocas número 59

. perrocas número 6

. perrocas número 60

. perrocas número 61

. perrocas número 62

. perrocas número 63

. perrocas número 64

. perrocas número 65

. perrocas número 66

. perrocas número 67

. perrocas número 68

. perrocas número 69

. perrocas número 7

. perrocas número 70

. perrocas número 71

. perrocas número 72

. perrocas número 73

. perrocas número 74

. perrocas número 75

. perrocas número 76

. perrocas número 77

. perrocas número 78

. perrocas número 79

. perrocas número 8

. perrocas número 80

. perrocas número 81

. perrocas número 82

. perrocas número 83

. perrocas número 84

. perrocas número 85

. perrocas número 86

. perrocas número 87

. perrocas número 88

. perrocas número 89

. perrocas número 9

. perrocas número 90

. perrocas número 91

. perrocas número 92

. perrocas número 93

. perrocas número 94

. perrocas número 95

. perrocas número 96

. perrocas número 98

. todas as tags

.contador

Phoenix Ancient Art
Free Cell Phones
blogs SAPO

.subscrever feeds

Sexta-feira, 4 de Novembro de 2011

Jornal "Perrocas" número 64

perrocas64

Novembro de 2011

 

Olá amiguinhos e amiguinhas

de todas as idades, cores e lugares...

Como vai a vida?


Uma receita…

 

Bolo Negro

 

Pede ajuda a um adulto!

Vamos experimentar uma coisa diferente!

Ingredientes:

125 grs de manteiga s/sal

50 grs de farinha de trigo

1 colher de (chá) cheia de fermento

1 colher de (sopa) de leite

1 pitada de baunilha em pó

60 grs de amêndoa ralada

125 grs de chocolate ralado

125 grs de açúcar

3 ovos completos

Molho de Chocolate:

125 grs de açúcar

1 colher de (sopa) de manteiga s/sal

90 grs de chocolate para culinária ralado

Confecção:

Batem-se muito bem o açúcar com as gemas até ficarem grossas, junta-se o leite, bate-se e depois o chocolate ralado, a amêndoa, e a baunilha, batendo muito bem.
À parte, batem-se as claras em castelo, junta-se uma pequena porção no preparado, mexe-se e vai-se deitando pouco a pouco, a farinha com o fermento; depois de bem ligado, juntam-se as claras batidas que se guardaram de parte.
Todo o trabalho tem que ser rápido para as claras não esperarem.
Deita-se numa forma bem untada com manteiga e polvilhada com farinha e vai ao forno médio.
Depois de cozido e desenformado, põe-se no prato onde for servido, cobre-se com uma boa porção de molho de chocolate e enfeite com chantilly.

Para fazer o Molho:

Mistura-se o açúcar com 3 dl de água e deixa-se ferver um pouco para começar a fazer ponto; deita-se imediatamente o chocolate ralado, deixe ferver um pouco para o dissolver muito bem e tira-se do lume. Junta-se-lhe a manteiga e bate-se bem.
Está pronto para cobrir o bolo.


BOM APETITE!


D. João VI

D. João VI de Portugal cognominado O Clemente, foi rei do reino unido de Portugaal, Brasil e Algarves. Segundo dos filhos de D. Maria I de Portugal e de seu tio Dom Pedro III  tornou-se herdeiro da coroa portuguesa como Príncipe do Brasil e 21º duque de Bragança após a morte do irmão mais velho, D. José, duque de Bragança, em 1788, vitimado pela varíola. Desde 1792, dada a doença mental da mãe, assumiu o poder, assegurando a direcção dos negócios públicos, passando a despachar os decretos em seu nome; sete anos mais tarde, em 1799, e até subir ao trono, governou o país como Príncipe-regente de Portugal, pois uma Junta Médica reconheceu a impossibilidade de recuperação de sua mãe. Em 1815, com a fundação do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, tornou-se Príncipe Regente do Reino Unido de Portugal, Brasil e dos Algarves. O seu reinado decorre em época de grandes mudanças mundiais e em Portugal: a Revolução Francesa (1789-1799) e a consequente guerra europeia, o Bloqueio Continental, a campanha do Rossilhão, a guerra com a Espanha com a perda de Olivença, as invasões napoleónicas, a transferência da corte portuguesa para o Brasil, a revolução liberal do Porto e a independência do Brasil. Em 1793 aliou-se à Espanha no combate à Revolução Francesa, que ameaçava todas as monarquias europeias. Nessa altura, Portugal tomou parte na Campanha do Rossilhão1793-1795. Em 1801, Napoleão Bonaparte, que reiniciara a luta contra a Inglaterra, e procurava aliados, convenceu a Espanha a atacar Portugal naquela que ficou conhecida como a guerra das Laranjas. Não tendo condições de enfrentar a coligação Franco-Espanhola, o Príncipe Regente, pediu a paz, prometendo fechar seus portos à Inglaterra. Contudo, a economia portuguesa estava profundamente ligada à Inglaterra e também corria o risco de ver seus portos bloqueados pela poderosa armada inglesa. Ao mesmo tempo, Carlota Joaquina, fiel a suas origens espanholas, conspirava na corte portuguesa e procurou, inclusive, tomar a regência. O Príncipe Regente tentou ganhar tempo, mas em 1806 Napoleão I fez-lhe um ultimato: ou fechava os portos à Inglaterra ou a França invadiria Portugal. Em novembro de 1807, D. João VI decidiu pela transferência da corte portuguesa para o Brasil, evitando ser aprisionado com toda a família real, nobreza portuguesa e o governo, tornando possível manter a autonomia portuguesa a partir do Rio de Janeiro. Contudo, o fez mais dependente em relação à Inglaterra, com a imposição da abertura dos portos brasileiros ao comércio internacional e o tratado Luso-Britânico de 1810, desastroso para a economia portuguesa, embora (ou por isso mesmo) decisiva para o progresso e a independência do Brasil. Enquanto isto a França invadia Portugal, com o apoio de dois corpos de exército espanhóis, sendo o corpo de exército francês comandado por Jean-Andoche Junot, que conquistou Lisboa na manhã de 30 de novembro de 1807. A notícia da invasão transformou a cidade num caos. Milhares de nobres, funcionários do alto escalão, padres e criados concentravam-se no cais tentando embarcar nos 36 navios à disposição da Coroa. Pelas ruas de Lisboa, as mulheres do povo choravam. Outros tentavam impedir à força aquela debandada geral. Junto ao porto, uma turba furiosa vaiava os fugitivos. Dom João embarcou disfarçado, temendo mais seu próprio povo do que as tropas de Napoleão. Na Bahia, em 1808, decretou a abertura dos portos às nações amigas - entre as quais, evidentemente, a Inglaterra. Em março, D. João transferiu-se para o Rio de Janeiro, transformando a cidade em sede da monarquia. Ali formou o seu ministério, aboliu a proibição da criação de indústrias, atacou e ocupou a Guiana Francesa, fundou escolas, a biblioteca real, o jardim botânico, etc. Enquanto isso, na Europa, Napoleão depunha D. Carlos IV, rei de Espanha, e no seu lugar colocava José Bonaparte, seu irmão mais velho. Após a queda de Napoleão, em 1815 o Príncipe-regente D. João elevou o Brasil a reino, por pressão inglesa e para poder sentar-se entre os plenipotenciários do Congresso de Viena; em 20 de março de 1816, morta D. Maria I, assumiu a coroa como D. João VI, o 27º Rei de Portugal em 1818. Finalmente, em fevereiro de 1821, tropas portuguesas dos quartéis do Rio de Janeiro amotinaram-se, exigindo que D. João VI retornasse a Portugal. Houve conflitos e mortes e só o rei poderia evitar uma guerra civil. Assim, nomeou Regente seu filho primogénito em 22 de abril de 1821 e quatro dias depois embarcou para Lisboa. Ao chegar, jurou a Constituição. Já o seu herdeiro, Pedro de Bragança, no entanto, recusava-se a regressar exclamando, em 9 de janeiro de 1822, ante instâncias do Senado da Câmara do Rio de Janeiro, Diga ao povo que fico!. A 7 de Setembro de 1822, Pedro declara a independência do Brasil. Proclama-se Imperador. O resto do reinado de João VI é passado em tentativas de reversão desta medida e de pacificação entre os filhos Pedro e Miguel. Contudo, a constituição jurada pelo rei vigoraria apenas durante alguns meses. Seguem-se a Vila-Francada em 1823 e a Abrilada em 1824, movimentos absolutistas encabeçados por D. Miguel. Vencido e expatriado D. Miguel, D. João VI consagra os últimos anos do seu reinado a tentar resolver o problema suscitado para Portugal pela independência do Brasil e, por altura da sua morte, sonhava ainda com a reunião dos dois países na pessoa de um só soberano. Em 1825, João VI nomeou Pedro I seu sucessor, apesar da rebeldia demonstrada, na tentativa de reunir Portugal e Brasil sob a mesma coroa. Porém, nesse ano, em 29 de Agosto, D. João VI viu-se obrigado a reconhecer a independência do Brasil e o filho como Imperador do Brasil. Foi-lhe reconhecido pelo tratado entre os dois países o título honorífico de Imperador do Brasil, embora não seja usual incluí-lo na relação dos monarcas do Brasil independente; e a esse título assinou as cláusulas do aludido tratado de reconhecimento da independência, firmado por mediação inglesa entre o Brasil e Portugal, pelo qual o Brasil assumiu dívidas contraídas por Portugal no valor de mais de 2 milhões e meio de libras esterlinas - contribuindo para desgastar a imagem do pai e do filho, João VI e Pedro I, aos olhos dos brasileiros. Faleceu em Março de 1826 após adoecer por alguns dias.


Sabias que...

Maçã é o fruto da macieira, árvore da família Rosaceae pertencente ao género Malus. A árvore é originária da Ásia Central, onde seu ancestral selvagem ainda é encontrado hoje. A maçã foi uma importante fonte alimentícia em todos os climas frios e, provavelmente, a macieira é a árvore cultivada há mais tempo. É a espécie de fruta, à excepção dos cítricos, que pode ser conservada durante mais tempo, conservando boa parte de seu valor nutritivo.


 

Um provérbio…

Há mil modos de morrer e um só de nascer.


 

Até Dezembro amiguinhos



publicado por pedrocas9@sapo.pt às 20:47

link do post | comentar | favorito
|

.SUGESTÕES DO PERROCAS