.PERROCAS

.pesquisar

 

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.ÚlTIMO NÚMERO DO PERROCAS

. Jornal "Perrocas" número ...

.PERROCAS ANTIGOS

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.tags

. perrocas número 1

. perrocas número 10

. perrocas número 100

. perrocas número 11

. perrocas número 12

. perrocas número 13

. perrocas número 14

. perrocas número 15

. perrocas número 16

. perrocas número 17

. perrocas número 18

. perrocas número 19

. perrocas número 2

. perrocas número 20

. perrocas número 21

. perrocas número 22

. perrocas número 23

. perrocas número 24

. perrocas número 25

. perrocas número 26

. perrocas número 27

. perrocas número 28

. perrocas número 29

. perrocas número 3

. perrocas número 30

. perrocas número 31

. perrocas número 32

. perrocas número 33

. perrocas número 34

. perrocas número 35

. perrocas número 36

. perrocas número 37

. perrocas número 38

. perrocas número 39

. perrocas número 4

. perrocas número 40

. perrocas número 41

. perrocas número 42

. perrocas número 43

. perrocas número 44

. perrocas número 45

. perrocas número 46

. perrocas número 47

. perrocas número 48

. perrocas número 49

. perrocas número 5

. perrocas número 50

. perrocas número 51

. perrocas número 52

. perrocas número 53

. perrocas número 54

. perrocas número 55

. perrocas número 56

. perrocas número 57

. perrocas número 58

. perrocas número 59

. perrocas número 6

. perrocas número 60

. perrocas número 61

. perrocas número 62

. perrocas número 63

. perrocas número 64

. perrocas número 65

. perrocas número 66

. perrocas número 67

. perrocas número 68

. perrocas número 69

. perrocas número 7

. perrocas número 70

. perrocas número 71

. perrocas número 72

. perrocas número 73

. perrocas número 74

. perrocas número 75

. perrocas número 76

. perrocas número 77

. perrocas número 78

. perrocas número 79

. perrocas número 8

. perrocas número 80

. perrocas número 81

. perrocas número 82

. perrocas número 83

. perrocas número 84

. perrocas número 85

. perrocas número 86

. perrocas número 87

. perrocas número 88

. perrocas número 89

. perrocas número 9

. perrocas número 90

. perrocas número 91

. perrocas número 92

. perrocas número 93

. perrocas número 94

. perrocas número 95

. perrocas número 96

. perrocas número 98

. todas as tags

.contador

Phoenix Ancient Art
Free Cell Phones
blogs SAPO

.subscrever feeds

Domingo, 30 de Setembro de 2007

Jornal "perrocas" número 15

perrocas nº15

Outubro de 2007

 

Olá amiguinhos e amiguinhas de todas as idades, cores e lugares...

Atenção:

Brevemente iremos fazer um concurso de blogs infanto-juvenis.

Fiquem atentos ao perrocas!

 


 

 

 Uma receita...

Pudim de Café

Ingredientes:

  • 1 lata de leite condensado
  • 1 lata de água
  • 2 ovos
  • Café solúvel a gosto
  • 1 limão (raspa)
  • Caramelo líquido
  • Sal q.b.
  • 1/2 colher (café) de fermento

Preparação

Prepara o café. À parte, junta os ovos com a água, o leite condensado, a raspa do limão e a meia colher de fermento.

Junta o café na quantidade que desejares e tempera com uma pitada de sal. Coloca o preparado numa forma com buraco untada com caramelo líquido e coze o pudim em banho-maria a uma temperatura média durante cerca de 20 minutos. Serve bem fresco.

 

 


 

Sabias que... 

A roda tem origem a partir de um rolo (um tronco de árvore) que, provavelmente, representou o primeiro meio usado pelo homem para impedir o atrito de arrasto entre dois planos, substituindo-o pelo atrito de rolamento.

Mais tarde, este rolo transformou-se num disco, e foi, talvez, a necessidade de introduzir a mão para lubrificar o eixo que fez com que o homem abrisse largos buracos.

Mais tarde, alguém pensou em proteger o cubo da roda contra choques utilizando uma cobertura, e surgiu a precursora das calotas modernas, que tem um objectivo mais ou menos funcional.

Praticamente, desde o começo, as rodas dos carros tinham o aro coberto de borracha sólida, e por isso eram muito duráveis, mas também muito rígidas.

Na segunda metade do século XIX, John Boyd Dunlop, um cirurgião veterinário escocês, tornou a bicicleta do seu filho muito mais confortável inventando o pneumático: um tubo de borracha, contendo ar sob pressão, e que cobria o aro.

Deve-se a Charles Goodyear a descoberta do processo de vulcanização, pelo qual a borracha adquire durabilidade e elasticidade. Até 1920, os pneus eram feitos fixando a borracha sob pressão a uma base de algodão.

Pouco depois de 1920 foram introduzidos os pneus de baixa pressão, e alguns deles duravam cinco vezes mais que os anteriores.

A partir de 1955, tornaram-se comuns os pneus sem câmara-de-ar, particularmente nos Estados Unidos. De certa forma, estes pneus representavam uma volta ao passado. Evidentemente, são muito mais resistentes, no que diz respeito a furos, ao próprio desgaste - devendo ser ajustados ao aro, para não deixarem escapar o ar.

 


História de Portugal...

Viriato

Após a segunda guerra púnica (218-201 aC), Roma dominava o Leste e o Sul da Península Ibérica. As zonas Oeste e Norte eram ainda dominadas por populações indígenas (iberos) e celtas. Uma federação de tribos lusitanas, que habitavam as regiões mais ocidentais, resistiu à penetração romana, sob a liderança brilhante de Viriato, de 147 a 139 aC. 

As batalhas entre tribos lusitanas e o império romano tiveram início cerca do ano 193 bC. Supôe-se que Viriato, filho de Comínio, terá nascido na localidade de Aritius Vetium (actual Alvega), e que terá tido de algum modo acesso a vários aspectos culturais e experiências, para além das actividades de pastor de rebanhos e caçador, que lhe permitiram desenvolver a guerra de guerrilha, com estratégias e tácticas sofisticadas, chegando mais tarde a dialogar positivamente com os representantes de Roma, e alcançando inclusivé a designação de "Amicus Populi Romani", ou seja, aliado em paz com Roma.

Em 150 aC, o pretor romano Sérvio Sulpício Galba aceita uma proposta de paz, em que se incluia o desarmamento dos lusitanos. No entanto, Galba não cumpriu a sua parte do acordo, procedendo ao massacre de cerca de 10 mil lusitanos, sendo outros 20 mil enviados para a Gália, onde foram vendidos como escravos. Viriato foi, afortunadamente, um dos poucos sobreviventes a esta chacina.

Viriato aparece na História quando, em 147 aC, se opôe à rendição dos lusitanos a Caio Vetílio, que os tinha cercado no vale de Betis , na Turdetânia. Viriato lembra aos seus companheiro a traição anterior de Galba.

A fama de Viriato como  guerreiro e estratega foi crescendo entre as várias tribos lusitanas, o que lhe permitiu vir a tornar-se o líder efectivo de uma coligação de tribos lusitanas, pela primeira vez na história unidas por um objectivo comum.

Derrota os romanos no desfiladeiro de Ronda, que separa a planície do Guadalquivir da costa marítima da Andaluzia, fazendo nas fileiras inimigas uma espantosa chacina, tendo sido morto o próprio Vetílio.

Em 145 AC Quinto Fábio Máximo, irmão de Cipião "O Africano" é nomeado cônsul na Hispania Citerior e é encarregado da campanha contra Viriato ao comando de duas legiões. Ao princípio tem algum êxito, mas Viriato recupera e em 143-142 aC volta a derrotar os romanos em Baecula e obriga-os a refugiar-se em Córdova.

Simultaneamente, seguindo o exemplo do chefe lusitano, as tribos celtibéricas  da Hispânia Citerior (Belos, Titos e Arevacos) revoltavam-se contra as prepotências romanas, acendendo uma luta que só terminaria em 133 aC, com a queda de Numância.

Em 140 aC Viriato derrota o novo consul Fábio Máximo Serviliano, matando mais de 3.000 romanos, encurralando o inimigo e podendo destroçá-lo; no entanto, deixou Serviliano libertar-se da posição desastrosa em que se encontava, em troca de promessas e garantias de os lusitanos conservarem o território que haviam conquistado. Em Roma, esse tratado de paz foi mais tarde considerado humilhante e vexatório; como consequência, o Senado romano volta atrás na sua palavra, e declara guerra a Viriato.

A destruição de Cartago, o principal centro de oposição ao poder de Roma, terá sido um elemento importante na viragem da guerra, pois Roma pôde reforçar as suas tropas nas restantes frentes, incluindo, claro, a frente ibérica.

Em consequência da atenção e poder militar concentrado de novo na Iberia, para além da desmilitarização lusitana que entretanto  aconteceu, as tropas romanas conseguem levar Viriato a refugiar-se a norte do rio Tejo, num lugar denominado "monte de vénus" (presumivelmente localizado entre Cáceres e Badajoz). Face aos avanços do general romano Quinto Servílio Cipião, Viriato, em posição difícil, enviou-lhe três emissários (Audax, Ditalco e Minuro) para negociar a paz.

Em 139 aC, Viriato foi assassinado durante o sono, por estes mesmos três emissários. Após o assassinato, estes refugiaram-se junto do procônsul romano Servílio Cipião, reclamando o prémio prometido. No entanto, o procônsul ordenou a sua execução, tendo ficado os três expostos em praça pública com os dizeres "Roma não paga a traidores".

O exército lusitano, chefiado por Táutalo, até então o braço direito de Viriato, tentou ainda uma incursão contra os territórios do Sul, mas foi vencido.

Depois da morte de Viriato, Decius Junius Brutus conseguiu finalmente marchar para Norte, através da lusitânia central, e dominar a Gallaecia. Começou então, efectivamente, a ocupação romana do extremo ocidental da Hispânia. 

Após a governação de Júlio César, o imperador Augusto fundou a cidade de Emerita Augusta (hoje Mérida), no ano 25 aC, tornando-a a capital da província romana Lusitania, por ele constituída no ano 5 aC.

 

 

 

Constrói um instrumento musical

TAN-TANS

 

 

Não sei se sabias, mas a primeira comunicação telefónica em Portugal foi entre o Observatório Meteorológico da Escola Politécnica e o Observatório Astronómico da Tapada da Ajuda, em Novembro de 1877, com uma linha telefónica de 3 km, tinha o Sr. Alexandre Bell inventado o telefone há pouco mais de um ano. No entanto foi o tambor, ou um tronco oco de uma árvore que serviu de meio de comunicação entre os homens e mulheres, há muitas centenas de milhares de anos.

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

 

Duas latas com capacidades diferentes, um cordel com cerca de dois metros, plástico forte e linha de coser das valentes.

 

FERRAMENTAS E ACESSÓRIOS

 

Uma tesoura

EXECUÇÃO

 

Prendes e esticas bem o plástico em cada uma das latas. Esta operação deve ser feita por duas pessoas: uma ata e a outra vai esticando o plástico. Depois das duas latas, terem o respectivo plástico bem esticado, atas uma lata à outra, de tal modo que os plásticos fiquem à mesma altura.

DECORAÇÃO

 

De "coração" te digo. A arte é tua, mas não dês cabo dos ouvidos, lá em casa. Tocar tambor não é fazer barulho. Aprende a tocar os teus TAN-TANS ao ritmo de uma música do teu agrado. Não te esqueças do conselho e tem cuidado com os teus ouvidos. A surdez é uma doença terrível e o facto de ouvires música muito alto, pode danificar os teus ouvidos.

COMO TOCAR

 

É importante que os teus TAN-TANS, tenham o plástico bem esticado. Com a ponta dos dedos bate ritmadamente no tambor maior e depois no pequeno ou vice-versa. Os TAN-TANS, seguram-se entre as pernas, para poderes utilizar as duas mãos na sua execução. Agora tenta acompanhar o ritmo de uma canção.

 


 

Uma experiência...

Arco-íris

MATERIAL:
1. Uma folha de papel em branco
2. Um copo com água
3. Uma lanterna

COMO FAZER:
1. Coloque o papel em frente ao copo com água
2. Coloque a lanterna ao lado do copo e acenda

O QUE ACONTECE:
Aparece um arco-íris reflectido no papel.

POR QUE ACONTECE?
Porque o copo-d’água faz com a luz da lanterna exactamente o que a nuvem faz com a luz do Sol, ou seja, separa as cores da luz. A luz que parece não ter cor nenhuma, na verdade é uma mistura de cores coloridas. Juntas elas dão a luz invisível ou luz branca. Misturadas, a gente não vê cor nenhuma, mas se você faz passar por alguma coisa que separe as cores, por exemplo, um copo-d’água, você vai ver as cores separadas ou um arco-íris.

 


Um provérbio...

 

Outubro meio chuvoso, torna o lavrador venturoso.  


Até Novembro amigos e amigas!

 

publicado por pedrocas9@sapo.pt às 16:07

link do post | comentar | favorito
|

.SUGESTÕES DO PERROCAS