.PERROCAS

.pesquisar

 

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.ÚlTIMO NÚMERO DO PERROCAS

. Jornal "Perrocas" número ...

.PERROCAS ANTIGOS

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.tags

. perrocas número 1

. perrocas número 10

. perrocas número 100

. perrocas número 11

. perrocas número 12

. perrocas número 13

. perrocas número 14

. perrocas número 15

. perrocas número 16

. perrocas número 17

. perrocas número 18

. perrocas número 19

. perrocas número 2

. perrocas número 20

. perrocas número 21

. perrocas número 22

. perrocas número 23

. perrocas número 24

. perrocas número 25

. perrocas número 26

. perrocas número 27

. perrocas número 28

. perrocas número 29

. perrocas número 3

. perrocas número 30

. perrocas número 31

. perrocas número 32

. perrocas número 33

. perrocas número 34

. perrocas número 35

. perrocas número 36

. perrocas número 37

. perrocas número 38

. perrocas número 39

. perrocas número 4

. perrocas número 40

. perrocas número 41

. perrocas número 42

. perrocas número 43

. perrocas número 44

. perrocas número 45

. perrocas número 46

. perrocas número 47

. perrocas número 48

. perrocas número 49

. perrocas número 5

. perrocas número 50

. perrocas número 51

. perrocas número 52

. perrocas número 53

. perrocas número 54

. perrocas número 55

. perrocas número 56

. perrocas número 57

. perrocas número 58

. perrocas número 59

. perrocas número 6

. perrocas número 60

. perrocas número 61

. perrocas número 62

. perrocas número 63

. perrocas número 64

. perrocas número 65

. perrocas número 66

. perrocas número 67

. perrocas número 68

. perrocas número 69

. perrocas número 7

. perrocas número 70

. perrocas número 71

. perrocas número 72

. perrocas número 73

. perrocas número 74

. perrocas número 75

. perrocas número 76

. perrocas número 77

. perrocas número 78

. perrocas número 79

. perrocas número 8

. perrocas número 80

. perrocas número 81

. perrocas número 82

. perrocas número 83

. perrocas número 84

. perrocas número 85

. perrocas número 86

. perrocas número 87

. perrocas número 88

. perrocas número 89

. perrocas número 9

. perrocas número 90

. perrocas número 91

. perrocas número 92

. perrocas número 93

. perrocas número 94

. perrocas número 95

. perrocas número 96

. perrocas número 98

. todas as tags

.contador

Phoenix Ancient Art
Free Cell Phones
blogs SAPO

.subscrever feeds

Terça-feira, 1 de Abril de 2008

Jornal "perrocas" número 21

perrocas nº21

Abril de 2008

 

Olá amiguinhos e amiguinhas de todas as idades, cores e lugares...

Já estamos em Abril

Este mês começa bem…

Com o dia das mentiras!


Uma receita…

Bolo Meu

Ingredientes:

  • 125 grs de manteiga
  • 1 chávena de açúcar
  • 1 chávena e meia de farinha
  • 3 iogurtes naturais
  • 4 ovos
  • 6 colheres de sopa de mel
  • frutos secos à escolha

Confecção:

Deixar amolecer a manteiga e batê-la com os ovos.
Juntar o açúcar e bater.
Depois juntar os iogurtes e o mel e bater de novo.
Por fim juntar a farinha e bater.
Misturar os frutos secos.
Vai a cozer em forma de bolo inglês, previamente forrada de papel vegetal (especial para uso culinário) untado com manteiga ou margarina. Cozer em forno quente (200° mais ou menos).
 

 

25 de Abril…

Um movimento singular, produto de uma acção planeada e executada exclusivamente por militares, sem grande comprometimento ou articulações com forças partidárias civis. A difusão das canções E Depois do Adeus, na véspera, e Grândola Vila Morena no próprio dia 25, deu o mote para o início das operações. Pelas 3 horas da manhã sai da Escola Prática de Cavalaria na Pontinha, uma força de 231 homens comandados por Salgueiro Maia com destino ao Terreiro do Paço. Ao longo do percurso foram vencendo todos os resistentes que se lhes opunham: a Polícia de Choque, uma coluna da Administração Militar de Lisboa (AML) do Regimento de Cavalaria 7 (RC7).

A madrugada avança sendo sucessivamente tomados diversos pontos fundamentais (edifícios públicos, órgãos de comunicação social -  RTP, Rádio Clube Português, Emissora Nacional; aeroporto; etc.) previamente designados com toponímica diversificada.

O ainda Presidente do Conselho contacta o general António Spínola para lhe entregar o Poder, no Quartel do Carmo, depois do aval do MFA.

Caetano e os membros do Governo são evacuados em blindados para a Pontinha. Ao fim da tarde, rende-se o Regimento de Lanceiros 2 e pelas 18 e 40 horas a RTP difunde o seu primeiro Telejornal livre onde reproduz o comunicado do MFA anunciando a rendição do Governo. Restava neutralizar o último reduto de resistência fascista, a polícia política que provocava as únicas vítimas da Revolução ao disparar sobre a multidão aglomerada ao redor da sua sede: quatro mortos e dezenas de feridos é o balanço. A rendição só é obtida no dia seguinte.

 

Ao longo do dia e em acto contrário às solicitações do MFA, o povo foi ocupando a Baixa da cidade exultando de alegria, felicitando o golpe, entoando o Hino Nacional. Este dia que durou mais de 24 horas, teve a dimensão de uma nova vida de todo um povo que desperta de uma sonolência imposta ao longo de meio século.

Ténis de Mesa…

O ténis de mesa surgiu na Inglaterra no século XIX. Imitando o jogo de ténis num ambiente fechado, objectos do dia-a-dia eram usados como equipamento: uma fileira de livros poderia ser usada como rede, uma rolha de garrafa como bola e uma caixa de charutos como raquete.

A popularidade do jogo fez com que as empresas de brinquedos iniciassem a venda de equipamentos comercialmente.

As raquetes antigas eram muitas vezes feitas de madeira que gerava muito barulho, criando o nome ping pong.

O nome ping pong foi largamente usado até que a empresa inglesa J. Jaques registou marca em 1901 e então os outros fabricantes passaram a usar o nome ténis de mesa.

O mesmo ocorreu nos Estados Unidos onde Jaques vendeu os direitos do nome ping pong para os Parker Brothers.

Uma inovação importante veio com James Gibb, um inglês apaixonado pelo jogo, que descobriu umas bolas de celulóide numa viagem aos Estados Unidos em 1901 e achou que seriam ideais para o jogo.

Em seguida, em 1903, E.C. Goode inventou uma versão moderna da raquete, com uma borracha colada sobre uma lâmina de madeira.

A popularidade do ténis de mesa cresceu em 1901 quando torneios foram organizados, livros foram escritos e um Mundial não oficial ocorreu em 1902.

Em 1921, foi criada uma Associação de Ténis de Mesa e, logo em seguida, a Federação Internacional (ITTF) em 1926.

Londres organizou o primeiro Mundial em 1927. Mas só em 1988, em Seul o desporto se tornou Olímpico.

No fim de 2000, as antigas bolas de 38 mm foram oficialmente trocadas pelas de 40 mm.

Esta medida foi tomada para aumentar a resistência do ar sobre a bola e efectivamente tornar o jogo mais lento.

Os jogadores começaram a aumentar a grossura da esponja da borracha tornando o jogo extremamente rápido.

Cavaquinho…

O cavaquinho é um cordofone popular de pequenas dimensões, do tipo da viola de tampos chatos e da família das guitarras europeias. Possuindo uma caixa de duplo bojo e pequeno enfranque, as suas quatro cordas de tripa ou metálicas (em aço) são tradicionalmente presas a cravelhas de madeira dorsais e ao cavalete colado a meio do bojo inferior do tampo, por um sistema que também se usa na viola.

Além deste nome encontramos ainda, para o mesmo instrumento ou outros com ele relacionados, as designações de machimbo, machim, machete, manchete ou marchete, braguinha ou braguinho, cavaco. Dentro da categoria geral com aquelas características, existem actualmente em Portugal continental dois tipos de cavaquinhos, que correspondem a outras tantas áreas: o tipo minhoto e o tipo de Lisboa.

O cavaquinho geralmente toca-se rasgado com os quatro dedos menores da mão direita, ou apenas com o polegar e o indicador como instrumento harmónico.

No entanto, um bom instrumentista executa a parte cantante destacada do rasgado com os dedos menores da mão esquerda sobre as cordas agudas, ao mesmo tempo que as cordas graves fazem o acompanhamento em acordes.

Trata-se de um instrumento com um grande número de afinações que, tal como no caso da viola, variam conforme as terras, as formas tradicionais e até os tocadores.

Porém, geralmente e para tocar em conjunto, o cavaquinho afina pela viola com a corda mais aguda colocada na máxima altura aguda possível.

A sua afinação natural parece ser ré-sol-si-ré (do grave para o agudo), mas usa-se também sol-sol-si-ré (ou lá-lá-dó #-mi, do grave para o agudo).

Certos tocadores de Braga usam ainda outras afinações além destas, próprias de certas formas em que a corda mais aguda (ré) é ora a primeira, ora a terceira: a afinação para o varejamento (com a primeira mais aguda) que corresponde a sol-sol-si-ré, atrás indicada; a afinação para malhão e vira na «moda velha» mais antiga (sol-ré-mi-lá, também com a primeira mais aguda).

Em Barcelos, é preferida a de sol-dó-mi-lá (afinação da «Maia») existindo ainda outras afinações de malhão e vira, para além de outras com a terceira mais aguda, etc.

 

Actualmente o cavaquinho é usado - tal como outros instrumentos típicos das rusgas - também para o fado, seguindo aí uma afinação correspondente com a primeira mais aguda.


Curiosamente, uma das afinações mais usadas - não citada por Ernesto Veiga de Oliveira - e porventura mais versátil harmonicamente é: (de cima para baixo) - RE-LA-SI-MI.

 

Sabes quem foi…

Bento Jesus Caraça

Bento de  Jesus Caraça nasceu a 18 de Abril de 1901, na Rua dos Fidalgos, em Vila Viçosa, numa modesta dependência do Convento das Chagas, onde se alojavam alguns criados da casa de Bragança. Era filho de trabalhadores rurais: João António Caraça e Domingas da Conceição Espadinha.

 

Foi eleito Presidente da Direcção da Sociedade Portuguesa de Matemática para o biénio de 1943-44 e Delegado da Sociedade aos Congressos da Associação Luso-Espanhola para o Progresso das Ciências, de 1942 a 1944 e de 1946 a 1948.

A subida do fascismo ao poder leva Bento Caraça a intensificar a sua actividade política quer a nível clandestino como militante comunista, quer a nível legal e semi-legal : participa activamente na Liga Portuguesa contra a Guerra e o Fascismo e no Socorro Vermelho Internacional; mais tarde participa na fundação do MUNAF, em 1943, e do MUD, em 1945.

Constantemente perseguido, nunca abdicou dos seus ideais.

Acabou por ser preso pela PIDE e, posteriormente, demitido do seu lugar de professor catedrático do I.S.C.E.F., em Outubro de 1946.

Talentoso matemático e professor universitário, não só sabia criar nos alunos aplicação e gosto pelo estudo, como criar amigos com os quais permanentemente passava a conviver.

Resistente antifascista, lutador pela liberdade e a democracia, apontava como horizonte mais vasto profundas transformações sociais, uma sociedade sem exploradores nem explorados, uma sociedade socialista.

 Homem de cultura, atacava o monopólio cultural das classes dominantes, apontava o caminho da criatividade e da fruição culturais pelo povo e sublinhava o consequente imperativo da solução dos graves problemas económicos das massas trabalhadoras.

Deu uma importante contribuição para a democratização da cultura. Apontando o valor e o papel do indivíduo, inseria a sua actividade em realizações colectivas.

Homem de profundas convicções, reflectia e incitava os outros a reflectirem, respeitava as opiniões diferentes, era sereno na controvérsia.

E porque confiava no futuro, acreditava na juventude, convivia com os jovens, que com ele conversavam e passeavam. E nem ele nem os jovens sentiam as diferenças da idade.

Morreu em Lisboa, a 25 de Junho de 1948, com apenas 47 anos de idade.

O seu funeral transformou-se numa impressionante manifestação de pesar e de homenagem sentida a um dos maiores vultos da intelectualidade portuguesa que jamais traiu a sua humilde e honrada condição de classe.

Um provérbio…

A união faz a força.

Até Maio amigos e amigas…

publicado por pedrocas9@sapo.pt às 23:50

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Planeta Gifs e Jogos a 23 de Abril de 2008 às 19:28
Olá,
Eu gostei do seu site e gostaria de fazer parceria com vc, posso colocar seu link em meu site e gostaria que vc tbm colocasse o meu link no seu site.


Esse é o meu código do button:



Image
(http://www.planetagifsejogos.hpg.com.br)


Abraços!

Comentar post

.SUGESTÕES DO PERROCAS